G2-NOVO
Xanxerê

Com força e vitalidade, moradora de Xanxerê completa 104 anos

A memória da tataravó falha às vezes, mas ela lembra muito de histórias da juventude.

22/07/2020 11h34
Por: Diego Salmon Franke
Fonte: Tudo Sobre Xanxerê
60
Ela teve dois maridos, ambos já falecidos, sendo que o último morreu há vinte anos.
Ela teve dois maridos, ambos já falecidos, sendo que o último morreu há vinte anos.

Dona Eugênia Vieira completa 104 anos na terça-feira (21). Ela é natural de Irani/SC, cresceu em Marcelino Ramos/RS e morou a maior parte da vida no interior de Ponte Serrada, trabalhando na roça e criando os nove filhos e cinco netos. Há cerca de um ano e sete meses veio morar em Xanxerê, no bairro Vista Alegre. Em uma conversa bem-humorada por videoconferência na tarde do último domingo (19), ela contou à reportagem do Tudo Sobre Xanxerê um pouco sobre sua vida centenária.

No sábado (18), os familiares próximos preparam uma comemoração para a idosa, que não escondeu a emoção ao contar como ficou feliz com a lembrança pelo aniversário. Foi um pouquinho de carinho representando os nove filhos, 37 netos, 111 bisnetos e oito tataranetos que Dona Eugênia tem.

A memória da tataravó falha às vezes, mas ela lembra muito de histórias da juventude e de quando podia trabalhar na roça. Ela teve dois maridos, ambos já falecidos, sendo que o último morreu há vinte anos. Desde então ela não teve mais interesse em companheiros e, rindo, disse que prefere continuar a viver tranquila e com a família.

Josiane Vieira, de 31 anos, foi uma dos cinco netos que Dona Eugênia criou. Desde que nasceu ela mora com a avó e, quando resolveu residir em outras cidades, a avó ia junto e foi assim que chegaram a Xanxerê. Com elas também mora a filha de Josiane, que tem 13 anos, bisneta da centenária.

- A vó é um doce, ela acorda cedo, espera eu sair trabalhar e depois dorme mais um pouco. É calma, tranquila, ativa, comunicativa, alegre, amorosa. Tem boa saúde, só toma remédio para pressão. Gosta de passear, de conversar. Se eu demoro para voltar para casa, ela se preocupa. Ela me criou e, desde então, ela mora comigo. As filhas delas já pediram para ela ir morar com elas, mas ela não quer, quer ficar comigo – conta Josiane que, segundo outros familiares, faz todas as vontades da avó.

Questionada sobre o segredo de tanta vitalidade, Dona Eugênia diz que não tem nada específico, mas destaca que trabalhou na roça até os 90 anos, nunca bebeu ou fumou, e sempre viveu em paz com as pessoas ao seu redor. Aos 104 anos, diz que teve uma vida feliz e que sente saudades da época em que podia trabalhar, pois gosta de ser independente e fazer suas coisas.

- Eu trabalhei até que meu corpo me deixou, agora eu faço minhas coisinhas, planto cebolinha perto do muro aqui de casa, gosto dos temperos. Nunca faltei com a verdade e nem tive desavenças. Fiz muitos amigos nessa vida, muitos vizinhos bons, muita gente boa que eu nem esperava encontrar. Também não esperava viver tanto tempo – finaliza a centenária.