G2-NOVO
Covid-19

Taxa de mortalidade de internados em leitos da Covid-19 no hospital de Xanxerê é de 18,8%

A unidade relata que os protocolos utilizados para o tratamento da Covid-19 são os mesmos recomendados pela Associação de Medicina Intensiva Brasileira (Amib).

30/07/2020 14h10
Por: Diego Salmon Franke
Fonte: Oeste Mais
62
Os números mostram que uma pessoa vai a óbito a cada cinco internados pela doença.
Os números mostram que uma pessoa vai a óbito a cada cinco internados pela doença.

A taxa de mortalidade de pacientes que são encaminhados para os leitos de isolamento da Covid-19 no Hospital Regional São Paulo (HRSP), em Xanxerê, é de 18,8%, segundo dados divulgados pela assessoria de imprensa do HRSP na manhã desta quinta-feira, dia 30.

Desde o início da pandemia, de acordo com o comunicado emitido pelo HRSP, passaram 239 pacientes (confirmados e suspeitos) pelos leitos de isolamento da Covid-19. Foram 45 mortes registradas durante o período. As vítimas são de vários municípios da região.

Os números mostram que uma pessoa vai a óbito a cada cinco internados pela doença. Conforme o HRSP, 95% das vítimas apresentam insuficiência respiratória aguda grave, com indicação técnica de intubação.

“Esse fato se dá em razão de vários fatores, sendo eles: no período registramos um pico de casos na região de abrangência do hospital; tivemos pacientes admitidos ou transferidos de outros hospitais já em estágio avançado da doença, muitos deles já intubados na cidade de origem; pacientes com múltiplas comorbidades, dentre elas diabetes, hipertensão, doenças cardíacas graves (por sermos referência na especialidade), doenças pulmonares crônicas graves e, principalmente, obesidade. Todos esses fatores agravam ainda mais a SARS-CoV 2 e contribuem para um desfecho desfavorável”, aponta o HRSP, em um comunicado oficial.

A unidade relata que os protocolos utilizados para o tratamento da Covid-19 são os mesmos recomendados pela Associação de Medicina Intensiva Brasileira (Amib), que incluem o uso de medicações como antibióticos, corticoides, anticoagulantes, sedativos e “até mesmo a polêmica hidroxicloroquina”, informa o comunicado.

“O Hospital Regional São Paulo, desde o início da pandemia, prezou pela transparência nas informações, sendo um dos poucos hospitais da região que publica diariamente um boletim informativo. Salientamos que nossa equipe multiprofissional não vem medindo esforços para minimizar os danos desta pandemia. As perdas inclusive, impactam nos nossos profissionais de saúde, que estão sobrecarregados especialmente em seu aspecto emocional. Solidarizamo-nos com todos os familiares que perderam seus entes queridos”, diz ainda o texto.