G2-NOVO
Covid-19

Hospital em Concórdia tem leitos de UTI para covid desabilitados pelo Ministério da Saúde

Unidade diz que está conseguindo trabalhar com a atual demanda.

23/10/2020 10h21
Por: Diego Salmon Franke
Fonte: Rádio Rural
48
Ainda conforme as informações, o critério para descredenciamento é o cálculo do fluxo de internações nas UTIs baseado no número de internados no mês anterior.
Ainda conforme as informações, o critério para descredenciamento é o cálculo do fluxo de internações nas UTIs baseado no número de internados no mês anterior.

Começou nos últimos dias uma série de descredenciamentos de leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs - COVID) em diversos hospitais, inclusive atingindo unidades de Santa Catarina. Concórdia também foi alvo deste novo plano, que é de responsabilidade do Ministério da Saúde. Conforme as informações, 11 leitos foram desabilitados no Hospital São Francisco.

De acordo com o que a reportagem da emissora apurou, neste momento, a unidade hospitalar concordiense, que atende também diversos municípios da região, conta com apenas cinco leitos de UTI covid credenciados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Anteriormente, no auge da pandemia, até a semana passada, o Hospital São Francisco tinha 16 leitos habilitados.

Ainda conforme as informações, o critério para descredenciamento é o cálculo do fluxo de internações nas UTIs baseado no número de internados no mês anterior. Como a unidade hospitalar de Concórdia teve uma grande redução de internações na terapia intensiva de setembro para outubro, com média de cerca de três a cinco pacientes em UTI diariamente, 11 leitos foram desabilitados.

Até este momento, a equipe do São Francisco está conseguindo lidar com a redução e atender a demanda envolvendo o coronavírus sem maiores problemas. Não se fala ainda sobre possibilidade de uma nova fase de habilitação dos leitos anteriores, mas há uma expectativa para que, caso haja uma demanda maior, seja possível um recredenciamento. 

O tema gerou polêmica nos últimos dias. Grandes hospitais que atendem a diversas cidades, como é o caso do Hospital Regional do Oeste, tiveram o número de leitos de UTI para covid pelo SUS reduzido pro conta do descredenciamento, ocasionando problemas pontuais no atendimento de pacientes. O Ministério Público de Santa Catarina deverá, inclusive, investigar o descredenciamento.