G2-NOVO
Eleições 2020

Conheça mais um pouco da vida do prefeito reeleito em Concórdia

Gaúcho, Pacheco foi vereador por cinco vezes em Concórdia.

17/11/2020 11h35
Por: Diego Salmon Franke
Fonte: Rádio Rural
76
Há mais de 20 anos, o advogado Rogério Luciano Pacheco constrói renomada carreira profissional em Concórdia, mas é na política onde mais se destaca.
Há mais de 20 anos, o advogado Rogério Luciano Pacheco constrói renomada carreira profissional em Concórdia, mas é na política onde mais se destaca.

A experiência profissional na área de política já é um dos pontos altos da vida pública do gaúcho Rogério Pacheco. Ele foi reeleito prefeito de Concórdia ao lado de Edilson Massocco neste domingo, dia 15. Além de mais de 20 anos em que atuou como vereador no município, agora ele já coloca quatro anos como prefeito no currículo, além dos próximos quatro que estão por começar.

Nascido em Vacaria, no Rio Grande do Sul, Pacheco é filho de José Plínio Garcia Pacheco e Marlene Lourdes Luciano Pacheco. Casado desde 1992, com Jucela Berté Pacheco, com quem tem os filhos Gustavo e André. O novo prefeito tem outros três irmão: Rachel Luciano Pacheco, Renata Luciano Pacheco e Rafael Luciano Pacheco, este falecido em 2005 aos 33 anos de idade, em um acidente automobilístico.

A carreira política teve seus primeiros traços em 1994, quando se candidatou à Conselheiro Tutelar, obtendo êxito e sendo bastante elogiado na função. Com isso, naturalmente acabou se tornando forte nome para a função de vereador, onde concorreu ela primeira em 1996. Ele foi eleito. Depois disso, foi eleito 2000, 2004, 2008 e 2012.

Veja abaixo o histórico do novo prefeito de Concórdia:

Há mais de 20 anos, o advogado Rogério Luciano Pacheco constrói renomada carreira profissional em Concórdia, mas é na política onde mais se destaca. Com cinco mandatos de vereador foi autor de importantes projetos. Tem na família o suporte para superar os desafios e as dificuldades que a vida pública impõe.

Rogério Luciano Pacheco nasceu em cinco de agosto de 1967, em Vacaria (RS). É filho de José Plínio Garcia Pacheco e Marlene Lourdes Luciano Pacheco. Casado desde 1992, com Jucela Berté Pacheco, com quem tem os filhos Gustavo e André. Tem como irmãos, Rachel Luciano Pacheco, Renata Luciano Pacheco e Rafael Luciano Pacheco, este falecido em 2005 aos 33 anos de idade, em um acidente automobilístico.

Até os quatro anos de idade, Rogério e a família moraram em Vacaria (RS). Ainda jovem, sofreu um acidente de trânsito com os tios, quando se feriu gravemente. Infelizmente, a avó, que também estava no carro, faleceu. Foi o episódio mais marcante da infância de Rogério.

Dois anos depois, Concórdia passou a fazer parte da vida da família. Rogério lembra até hoje do convite para a mudança. A família estava almoçando e o pai perguntou a ele o que achava de se mudar para Concórdia, uma cidade de Santa Catarina, onde trabalharia como advogado de um partido político (MDB). “Para nos convencer citou que Concórdia era uma cidade que predominava a cultura italiana, a qual era a mesma da mãe, dona Marlene, facilitando a adaptação”.

A decisão então foi tomada e a família Pacheco chegou a Concórdia por volta de 1975. Rogério foi estudar na escola São José, hoje Olavo Cecco Rigon, onde concluiu o Primeiro Grau. Fez curso Técnico em Agropecuária, no então Colégio Agrícola, hoje Instituto Federal Catarinense. A infância e adolescência de Rogério foi marcada pelo esporte, em especial o futebol. Treinava na Ser Sadia e competiu nas categorias infantil, infanto-juvenil e juvenil. Em 1982, fez parte do time de futebol do Colégio São José, que foi Campeão Estadual Dente de Leite (Moleque Bom de Bola).

Aos 16 anos, outro fato negativo mudou a vida de Rogério. Ele sofreu um grave acidente de motocicleta, no dia 23 de novembro de 1983. Ficou por vários dias internado no hospital e precisou usar cadeira de rodas por seis meses e muletas por outros três anos e meio. Rogério precisou interromper os estudos e se afastar do esporte. Mais tarde, concluiu o Segundo Grau, no Colégio Cenecista Dr. Júlio Cesar Ribeiro Neves (CNEC).

Em Passo Fundo (RS) fez pré-vestibular e foi aprovado para o curso de Bacharel em Direito, em São Leopoldo (RS). Morou e estudou lá por dois anos e meio. Voltou para Concórdia para trabalhar com o pai na imobiliária da família e terminou a faculdade em Joaçaba (SC), em 1994.

Dois anos antes, em 1992, casou com Jucela, com quem namorou por sete anos. O casal se conheceu na Sociedade Esportiva e Recreativa Sadia (Ser Sadia). Ele treinava futsal e ela jogava voleibol. Logo após o casamento, nasceu o primeiro filho, Gustavo Felipe.

Em 1994, Rogério candidatou-se à Conselheiro Tutelar e teve êxito. Exerceu a função até 1996. A experiência contribuiu para que em 1996 ele fosse cogitado para ser candidato a vereador. O pai já havia exercido dois mandatos, mas no momento estava fora do Poder Legislativo. “Faltavam quatro meses para a eleição e precisavam de um jovem. Concorri pelo PMDB e fui eleito”, relembra.

No segundo mandato, em 2000, assumiu a presidência da Associação dos Vereadores do Alto Uruguai Catarinense (Avauc). Em 2004, se reelegeu sendo o vereador mais votado do PMDB. Em setembro do ano seguinte, divergências de ideias o levaram a deixar o partido. Pacheco se credenciava a disputar a eleição para Deputado Estadual, mas havia outros nomes dentro do partido e a possibilidade não se concretizou. “Surgiram muitas situações. Era para eu ter assumido a Secretaria de Desenvolvimento Regional, mas isso também não aconteceu. Então, conversei com minha família e resolvi ingressar no PSDB”.

Rogério então concorreu a Deputado Estadual pelo PSDB. Fez aproximadamente sete mil votos, mas não conseguiu se eleger, faltando 2.700 votos para assumir uma cadeira, por um período (um ano e meio), na Assembleia Legislativa de SC (Alesc). Em 2008, encarou outra eleição para vereador, sendo novamente eleito. Foi presidente e coordenador regional do PSDB. Também presidiu, na região Sul, uma organização de vereadores do PSDB de todo o Brasil.

Rogério foi acumulando experiência e visto como um vereador de atuação destacada. Em 2012, disputou a quinta eleição e conquistou o quinto mandato. O objetivo não era concorrer novamente ao Legislativo e sim, compor a chapa majoritária para prefeito. “Nunca quis dividir grupos. Se eu batesse na tecla de ser candidato à majoritária, poderia dividir. Dei um passo atrás para não atrapalhar”.

Rogério foi eleito presidente da Câmara de Vereadores de Concórdia, em 2013, com votos de vereadores da oposição e da situação. “Tudo aconteceu de uma forma muito natural”. Na condição de presidente, além de ficar marcado na história no Legislativo, como o primeiro presidente a sancionar uma Lei Municipal, abriu caminho para assumir o cargo de prefeito durante três dias, em agosto de 2013. “Foi uma experiência que marcou e quero levar comigo, quem sabe, para futuras eleições”.