G2-NOVO
Saúde

Morre aos 92 anos, Yusef Ahmad Abu El Haje um dos primeiros comerciantes de Concórdia.

Yusef sempre dizia que Concórdia é uma cidade de gente trabalhadora e honesta.

26/11/2020 11h49Atualizado há 2 meses
Por: Diego Salmon Franke
Fonte: Luis Longhini
101
Após garantir a formação profissional e a independência financeiras dos filhos, decidiu vender a loja e aposentar-se.
Após garantir a formação profissional e a independência financeiras dos filhos, decidiu vender a loja e aposentar-se.

Morreu nesta terça-feira, 24, de novembro aos 92 anos devido a complicações médicas, Yusef Ahmad Abu El Haje, o Turco como era conhecido pelos concordienses.

Seu Yusef, saiu da Palestina em meados da década de 1950, por vontade própria, sem pressões de terceiros e motivado pelo espírito aventureiro.

Iniciou sua vida como mascate, vendendo roupa de porta em porta, oferecendo o que levava na mala. Porém as condições de venda se mostraram mais difíceis do que esperado, devido às diferenças de idioma e as características do mercado consumidor. Recebeu, dentre várias, a indicação de se instalar em Concórdia.

Quando chegou em Concórdia, em 1960, escolheu como ponto comercial uma loja na Domingos Machado de Lima. Para ele era um bom lugar de vendas, por localizar-se em frente à rodoviária, local de grande circulação de pessoas. Nesse período, casou-se com Naimih.

Yusef fundou a Casa Oriental: Roupas Feitas e Calçados em Geral, como a placa dizia. Foi um dos pioneiros nesse tipo de comércio, pois, até então, o comércio local oferecia apenas venda de tecidos. Sempre foi apaixonado pelo comércio e por sua profissão: ser vendedor. A Casa Oriental, funcionou durante muitos anos na rua do Comércio, até a sua aposentadoria.

Com muito trabalho, dedicação, amor e esforço próprio, o casal Yusef Naimih deu educação, formação profissional e conforto para quatro filhos: SamiraSamirAmir Ossam. Os filhos sempre foram muito amorosos, respeitadores, orgulhosos da história de seus pais e nunca mediram esforços para tornar suas vidas mais felizes.

Após garantir a formação profissional e a independência financeiras dos filhos, decidiu vender a loja e aposentar-se. Aproveitou a vida viajando, realizando caminhadas, convivendo com os filhos, genro, noras e netos, bem como cultivou as amizades que sempre valorizou muito.